O evangelho segundo Ernest Cline

ready-player-one-screenwriter-zak-penn-says-its-to_shcv.1920

Até onde você acha que a nossa tecnologia pode chegar? Já pensou em um dia em que todos nós vamos poder viver no mundo virtual como se fosse o real? Em que jogos de simulação de vida como Second Life e The Sims são tão imersivos que será possível ir á escola, trabalhar e até fazer sexo, tudo isso sem realmente ter de sair do conforto do lar. É sobre isso que  livro que vou falar hoje propõe.

Jogador N° 1, é um livro lançado em 2011 pelo escritor (e obcecado pela cultura pop dos 80′) Ernest Cline. Ambientado no ano de 2044, num futuro onde o mundo que vivemos já praticamente não existe, já que a humanidade conseguiu ser tão egoísta a ponto de esgotar os recursos naturais do planeta gerando uma crise global de energia, e deixando toda população das classes mais baixas desamparas. Devido a toda a merda que acontece, as plantas e animais começam a morrer, e as pessoas no mundo também por conta problemas causados pelo aquecimento global ou nas guerras pelos últimos recursos naturais ainda existentes. Continuar lendo “O evangelho segundo Ernest Cline”

Anúncios

David Levithan e a representatividade LGBT na literatura

david-levithan-photocred-neil-kendal1-crop
Such a bae!

Sabe quando nos sentimos sozinhos, incompreendido e achamos que tudo e todos a nossa volta já não fazem mais sentido, que não nos encaixamos e parece que não existe ninguém que realmente nos entenda? Eu já me senti assim e muito. Crescer e se tornar adulto não é fácil, principalmente se você é diferente, e você sabe disso, já que as pessoas á sua volta tem um comportamento que para você é estranho e não condiz com o que você está sentindo.

No meu caso era a vontade de me encaixar, de mostrar que eu podia ser diferente, que me motivava a sair por aí e beijar algumas garotas, como se eu precisasse provar pro mundo que eu tinha de ser igual a todos. A descoberta dos nossos sentimentos pode ser dolorosa e é aí que a importância de autores como David Levithan entram, mostrando pra nós que existem outros assim, e que não estamos sozinhos, e isso faz uma puta diferença!

Continuar lendo “David Levithan e a representatividade LGBT na literatura”

Meu livro favorito de todos os tempos (da última semana)

Oi, hoje eu voltei meio perdido. Eu pensei “Tem tanta coisa que eu quero falar que não tenho ideia do que dizer”. E acabei pensando em dar uma dica de livro. Pois bem, o livro que vou indicar é maravilhoso, e como já diz o título é o meu livro favorito.

A primeira coisa que tenho pra dizer se você for ler esse livro é que você não precisa se sentir intimidado pelas suas 895 páginas (Sim, é bastante, mas a diagramação é bem distribuída) porque o conteúdo vale tanto a pena. E pra vocês verem como a leitura é fluída eu já li ele 3 vezes, e pretendo ler mais uma vez, de tão bom que o negócio é. Sem mais delongas vou falar um pouquinho sobre a minha experiência com esse livro.

Continuar lendo “Meu livro favorito de todos os tempos (da última semana)”